Manaus conta com 30 peritos para 900 acidentes mensais

Manaus - Manaus tem apenas 30 peritos criminais que atuam na área de acidentes de trânsito com vítimas para atender, em média, 900 acidentes mensais, segundo dados fornecidos pelo Instituto de Criminalística da Polícia Civil (PC) e do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans). 

Apesar do alto número de acidentes registrado pelo Manaustrans, em 2013, foram realizados apenas 1.825 atendimentos no local, segundo o diretor do Instituto de Criminalística (IC), Carlos Fernandes. De acordo com ele, isso se deve ao fato de que muitos motoristas não esperam o exame ser realizado. Além disso, em 2013, a perícia realizou 515 exames de aduteração de chasssi.

Segundo Fernandes, os 30 perítos estão divididos em quatro equipes, em sistema de plantão. “Nas ocasiões em que somos acionados, simultaneamente, pode haver a demora do serviço, pois teremos que atender as ocorrências e, ao término, dar andamento às solicitações”.

O resultado dessa quantidade miníma de profissionais, de acordo com o presidente da Associação de Peritos Oficiais do Estado do Amazonas (Apoeam), André Segundo, é a demora de laudos. Além disso, André destacou que um dos fatores que faze com que a maioria dos casos não passe por perícia é a demora dos peritos. “Às vezes, as pessoas ligam solicitando, mas não têm a paciência de esperar porque demora. Nós temos quatro peritos para cada plantão, isso significa que, se tivermos outros dois acidentes na região metropolitana, por exemplo, ou nós não vamos ter pessoal, ou não vamos ter equipamento”, afirmou.

Ele destacou, ainda, que o problema não está só na área de peritos de trânsito, mas em todos os setores. “Não tem como as coisas serem rápidas, se o pessoal é pouco e os equipamentos precários”.

Demora prejudica  motoristas que esperam por resultados 

De acordo com o diretor do Instituto de Criminalística (IC), Carlos Fernandes, os resultados da perícia demoram de 20 a 30 dias para serem finalizados. No entanto, nem sempre essa é a realidade de quem está do lado de fora, à espera dos resultados.

Desde setembro do ano passado, o fotógrafo Francisco Araújo, 33, tenta ter acesso ao resultado da perícia realizada em um acidente de trânsito em que esteve envolvido. Os problemas começaram ainda no dia do acidente, ocorrido na AM-010, no dia 7 daquele mês.

De acordo com Francisco, após realizar os procedimentos, os peritos que atenderam a ocorrência informaram que em 30 dias o resultado estaria pronto. No entanto, 40 dias depois, ao tentar receber o laudo, ele foi informado que, para isso, precisava ter dado entrada com uma solicitação.

Após procurar o IC com a solicitação da delegacia responsável pela área, Francisco recebeu a notícia que só a partir daquele dia o prazo de 30 dias valeria. “Ou seja, esperei 40 dias achando que estava tudo bem. No entanto, quando cheguei lá que vieram me dizer que precisava de um documento. Por que não me avisaram no dia do acidente?”.

O novo prazo de um mês acabou no dia 4 de novembro e, mais uma vez, Francisco foi informado de que não teria o resultado.

Para ele, o resultado é necessário porque vai provar que o motociclista que colidiu com o veículo dele estava errado. “Eu preciso provar que eu estava certo e isso só vai acontecer após o laudo”, relatou.

Fernandes destacou que o caso de Francisco não é uma regra e que a demora pode ocorrer por vários motivos, como a complexidade do acidente. “Às vezes, o perito precisa pesquisar e realizar um estudo sobre o caso. Temos que levar em consideração que Manaus possui, aproximadamente, 2 milhões de habitantes e, além da capital, atendemos alguns municípios da Região Metropolitana”, ressaltou.

 

Fonte: http://www.d24am.com/noticias/amazonas





Comentários

Facebook